RXT Travel aposta em credibilidade e atendimento individualizado

Com mais de 45 anos de experiência no mercado de turismo brasileiro, o macauense Carlos Alberto da Silva Santos assume um novo desafio em sua carreira profissional, que é a de gestor e proprietário-diretor da RXT Travel. Com passagens pela Pan American World Airways e 28 anos como administrador financeiro do Grupo Rextur, Santos aposta agora na expansão da nova empresa, que vê como promissora.

“É preciso resgatar valores e assumir práticas comerciais transparentes. Temos responsabilidade com a gestão da nossa marca. Queremos ser reconhecidos pela qualidade do serviço prestado. Estamos com uma carteira limitada de clientes para manter a sustentabilidade do negócio, alicerçado nos princípios de quem busca sempre fazer o melhor”, acredita o porta-voz da empresa.

A trajetória do profissional o qualifica no posicionamento competitivo da operadora e busca agregar solidez, conduta ética, serviços de qualidade e preços justos. A operadora oferece atendimento vip a um seleto perfil de agências de viagens. A expansão da RXT Travel é promissora, aposta o gestor, que acredita na possibilidade de sucesso no atual cenário.

“Nossa marca é baseada na confiabilidade e na qualidade”, afirmou. “Oferecemos um atendimento individualizado e o nosso forte continua sendo o velho e bom ‘forfait’ (pacote individual montado por uma agência exclusivamente para um passeio ou um grupo)”, destacou Santos.

Até 2013, a RXT Travel integrava o Grupo Rextur. Em meados de 2014, desligou-se da empresa e buscou um caminho solo, sem ligação com nenhum grupo econômico. Atualmente, a RXT Travel opera com uma estrutura enxuta, com um diretor geral e uma equipe de dez funcionários.

Cenário atual

Em 2015, apesar da crise econômica e da alta do dólar, a RXT Travel apresentou uma ligeira queda nas vendas de serviços terrestres internacionais (-8%). Porém, houve uma grande queda nas vendas do aéreo (-41%). “Sentimos que esta diminuição ocorreu porque as tarifas aéreas tornaram-se pouco competitivas em relação às tarifas disponibilizadas pelas companhias aéreas em seus sistemas. De um modo geral, por motivos econômicos, nossa clientela passou a adquirir a parte aérea diretamente das aéreas”, explicou.

Para driblar o cenário desfavorável e a alteração cambial, a empresa vem se dedicando à constante melhoria na qualidade de seus serviços e negociações com fornecedores domésticos, além de apostar em destinos com câmbios mais favoráveis, como o Canadá.

Para 2016, a expectativa da empresa é de um crescimento de 25% em relação a 2015, obtidos com o trabalho de fidelização de sua clientela, formada exclusivamente para agências de viagens.

 

Equipe de Redação

Deixe uma resposta