Sebrae: mais de 50% das empresas adota home office ou férias coletivas

De acordo com um estudo do Sebrae, 33% das empresas estima retomada dos negócios de eventos em menos de seis meses após fim do isolamento

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Sebrae, em parceria com a Associação Brasileira de Empresas de Eventos (Abeoc) e a União Brasileira dos Promotores de Feiras (Ubrafe), a pandemia da covid-19 impactou 98% das empresas do setor. Para tentar amenizar esse efeito, 35% dos empresários negociaram crédito para realizar os eventos cancelados. A maior parte das empesas adotou o estilo home office ou deu férias aos seus colaboradores.

Das 2.702 empresas entrevistada, aquelas que viram impacto contam com uma média 12 eventos cancelados. Apesar do cenário, 51% das empresas optaram pela atuação online 33% deram férias aos trabalhadores, enquanto 43% dispensaram os colaboradores. Outros 64% não pretende dispensar funcionários nos próximos três meses.

“O setor de eventos atua sempre em cadeia, são muitos fornecedores envolvidos. Assim, cada evento cancelado impacta pelo menos outras dez empresas. Ainda assim, os empresários se mantêm otimistas, pois quase 60% afirmaram que acreditam na retomada das atividades de imediato ou nos próximos seis meses”, declara Carlos Melles, presidente do Sebrae.

Para sobreviver ao período, 53% das empresas estão renegociando contratos e fornecedores. Já metade dos pesquisados afirma estar realizando corte de custos com insumos e matérias-primas, enquanto 20% diz reduzir custos com as concessionárias de energia e água. Além disso, 54% declarou tomar alguma medida em relação aos terceirizado. As principais reduções tem relação com horas, valores pagos, cancelamentos ou suspensão de contratos.

O estudo ainda demonstra que 54% dos negócios tiveram redução do faturamento em março e 37% não recebeu nada no período. Em abril, a expectativa é a redução de faturamento para 79% das corporações, sendo a maior preocupação manter e adequar o modelo de negócio para continuar funcionando, conforme 48% dos respondentes, além de manter seus atuais cliente, segundo 43%.

Os dado mostram que 34% acha que levará de sete meses a um ano para retomar os negócios após a suspensão do isolamento. Outros 33% acredita em um período menor de seis meses para o reaquecimento, enquanto 24% estima a retomada em patamares anteriores de imediato.

No momento que se busca soluções, a pesquisa do Sebrae em parceria com a Abeoc e aUbrafe abre espaço para um novo momento e novos negócios”, sintetiza Armando Campos Mello, presidente executivo da Ubrafe.


Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui