Sindepat: Alain Baldacci destaca conquistas dos 17 anos de atuação

Sindepat
Alain Baldacci ao lado de Vinícius Lummertz e lideranças da IAAPA, durante evento promovido pelo Sindepat, em 2018

O Sindepat comemorou 17 anos de criação no último mês de julho. Nessas quase duas décadas, o Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas foi responsável por conquistas históricas para o segmento. Muitas dessas vitórias estão relacionadas à liderança ativa de Alain Baldacci, executivo reconhecido pelo trade pelo esforço pessoal em prol de causas comuns. Baldacci sucedeu Marcelo Gutglas na presidência do Sindepat e ajudou a trilhar os primeiros passos da entidade em uma trajetória pautada pelo sucesso conjunto.

Ele lembra que a entidade que, hoje, é comandada por Murilo Paschoal e tem Carolina Negri como diretora-executiva, nasceu de uma necessidade do setor, em 2003. Na época, ele era presidente da diretoria da Associação Internacional de Parques de Diversão e Atrações (IAAPA) e, observando o potencial de atração de investimentos, geração de emprego e desenvolvimento desse segmento em nível global, ele colocou em pauta a urgência de ter uma representação oficial dessa indústria no Brasil.

A criação do Ministério do Turismo foi vista como oportunidade de trazer o merecido protagonismo ao setor. “Éramos meros desconhecidos na época do Sarney, tratados como atividades supérfluas e desnecessárias para a economia do País”, comenta. Unido a um grupo de empresários engajados – que vai do visionário Marcelo Gutglas, aos famosos Beto Carrero e Maurício de Sousa – Baldacci foi ao Congresso Nacional, em Brasília (DF), para uma reunião no Ministério do Turismo para tratar do Imposto Sobre Serviços (ISS) para o setor. De alíquota zero, a proposta do novo governo era subir para 10%. “Isso seria a morte para os parques naquele momento”, aponta.

Caravana histórica em Brasília

A proposta da “caravana histórica” era categorizar as diversas atividades dentro do universo do entretenimento e fixar alíquotas de acordo com o ramo de atuação. “Pela primeira vez, tínhamos um Ministério do Turismo independente e eu fiz uma conexão diretamente com Walfrido dos Mares Guia que organizou nossa ida. Estávamos lutando pela nossa sobrevivência e conseguimos falar com o presidente do Senado, com o presidente da Câmara e, finalmente, com a Casa Civil”, relembra.

O grupo saiu da Esplanada dos Ministérios com a proposta imediata de aplicação de alíquota entre 2% e 5% para o setor. “Isso possibilitou nossa sobrevivência e daí surgiu a ideia de criar o Sindepat. Finalmente seríamos reconhecidos como atividade econômica”, comemora. De lá para cá, o Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas teve papel fundamental na articulação para resolução de problemas que impactam o desenvolvimento do setor.

Uma das maiores conquistas veio em outubro do ano passado, com a definitiva isenção de imposto de importação de equipamentos. “Uma batalha duríssima que durou 25 anos, começou na Adibra [Associação das Empresas de Parques de Diversão do Brasil] e foi um divisor de águas”, comemora Baldacci. Além disso, durante todo esse tempo, o Sindepat realizou seminários e campanhas de conscientização sobre a importância dos parques e atrativos para a cadeia do Turismo. “Nossa intenção é fazer com que aqueles que determinam as leis, aqueles que as executam, fiscalizam e dão incentivos entendam que eles é que têm o poder de distribuir condições de atuação para os empresários brasileiros”, defende.

A importância da união

Diante do novo coronavírus e dos impactos decorrentes na atividade turística, Baldacci fez um relato emocionante sobre a criação da entidade, suas principais vitórias – com destaque para a criação do Dia Nacional da Alegria – e reforçou o poder da união para ampliar as vozes consonantes e consolidar a representação.

“Estamos atravessando uma das mais graves crises da história humana. A pandemia tem acertado todos os países do globo e impactado todos os negócios, então é muito importante refletirmos sobre a importância do espírito associativo neste momento. Outras crises e outras situações que podem prejudicar nossos negócios vão surgir e temos de agir com profissionalismo e organização. Não podemos nos desunir, precisamos criar um sistema de informações confiáveis e demonstrar com segurança nossas qualidades”, pontua.

Assista ao relato e confira, na íntegra, as conquistas do Sindepat na voz de Alain Baldacci!

Deixe uma resposta