Tendências 360 discute viagens por assinatura e insights comportamentais

Tempo, dinheiro, personalização, tecnologia, conhecimento do público alvo e novos modelos de negócios foram pautas do Tendências 360

Tendências 360

Nesta quarta-feira (2), o segundo dia do evento Tendências 360 foi aberto com destaques da pesquisa Insights para o Turismo 2ª Edição, a qual evidenciou no setor corporativo o interesse pela retomada de viagens, mas com melhor planejamento e menor frequência. Além disso, os entrevistados do estudo também pontuaram que desejam passar mais tempo com seus familiares.

No quesito lazer, sol e mar continuam entre os chamarizes de público, no entanto, o olhar do consumidor se mostra diferente, com desejo por experiências de maior qualidade. De agora em diante, segundo os aspectos adiantados no evento Tendências 360, a oferta de produtos e serviços deve se atentar aos interesses, desejos e necessidades do público para que seja efetiva.

A segunda edição do Insights para o Turismo, que ainda não foi publicada, identificou fatores comportamentais que geraram cinco personas, tanto para o mercado corporativo quanto para o consumidor de lazer. Em linhas gerais, ficou explicito o desejo do indivíduo de aproveitar seu tempo com mais planejamento e qualidade, além de ter a liberdade de escolha nas atividades que serão desenvolvidas.

Netflixação do turismo

O modelo de assinaturas que é uma realidade entre automóveis, serviços de streaming audiovisual e até mesmo na categoria alimentação está sendo apresentado pela BeRightBack para o setor de viagens. Trata-se de um formato que requer o pagamento de uma taxa mensal para entregar ao consumidor uma viagem planejada conforme seus interesses e necessidades. A facilidade utiliza inteligência artificial para sugerir aspectos relevantes ao usuário baseado nas informações que lhe foram compartilhadas, poupando tempo e dinheiro.

“A nossa visão é que ao invés de criar um modelo baseado em assinatura que disponibiliza ofertas para o consumidor, termos um formato similar ao da Netflix, que se baseia nos dados compartilhados, para a um preço fixo dentro da assinatura, apresentar produtos que tenham relevância”, contextualiza Gregory Geny, CEO da BeRightBack.

O executivo defende que, ciente dos interesses do consumidor e munido com o valor pago, é possível negociar com o setor aéreo e hoteleiro para desenvolver um pacote que atenda aos interesses do viajante e também seja benéfico à indústria. “É isso o que fazemos, economizamos tempo, dinheiro e entregamos um produto empolgante feito sob medida com um pouco de surpresa na viagem.  O nosso modelo de negócios foi criado inicialmente pensando no público da geração Millennials, no entanto a BeRightBack acabou percebendo que sua base de cliente está na faixa entre 40 e 70 anos, os quais têm o tempo como um ponto de dor e a conveniência da entrega de serviço”, reforça. A empresa almeja também aproveitar a demanda reprimida causada pela pandemia de covid-19 e trazer o modelo para o Brasil.

Segundo análise de Carlos Lopes, presidente da Coobrastur, as viagens por assinatura serão uma ferramenta para diminuir a sazonalidade no Brasil, pois ao permitirem o planejamento com antecedência, auxiliam para que tenha fluxo no ano inteiro, garantindo a qualidade do serviço.

Outro ponto destacado durante o evento Tendências 360, foi a porcentagem do faturamento dedicado à mídia a partir da venda de pacotes via plataforma online usando anúncios do Google, além disso, a lógica usada pela empresa emprega o acréscimo das tarifas conforme busca do usuário. “A conta está ficando cara e quem está pagando é o acionista hoteleiro e o hóspede e esses dois players em algum momento vão ter que decidir por tirar um intermediário do processo, se não for o Google, será outro. Se criarmos um modelo subtrair a conta do Google, por meio de uma comunidade, que pode se estabelecer pelo formato da assinatura, conseguiríamos ter a mesma margem de lucro que as operadoras têm, diminuindo também o gasto do consumidor”, propõe Augusto Rocha, vice-presidente de Vendas e Marketing PMWEB.

Nuno Sales da Ponte, diretor da Expedia no Brasil ressaltou que “o mundo das viagens gosta desse tipo de inovação e certamente terá clientes, mas muitos ainda buscarão a experiência completa, desde a busca pela inspiração até o momento da review”. O executivo também pontou a qualidade, expertise e confiança como pilares para a venda de viagens no mercado.

Deixe uma resposta