Tráfego de passageiros globais cresce 6,5% em janeiro, aponta Iata

Enquanto isso, a capacidade teve alta de 6,4% e a ocupação subiu 0,1 ponto percentual

1

O tráfego de passageiros globais cresceu 6,5% em janeiro em relação ao mesmo mês de 2018. Ainda de acordo com a Iata, a capacidade no período também obteve crescimento. A alta, aliás, foi de 6,4%. Enquanto isso, a taxa de ocupação subiu 0,1 ponto percentual, passando para 79,6%.

“O ano começou com resultados positivos, visto a demanda saudável de passageiros e seguindo a tendência dos últimos dez anos”, apontou o CEO e diretor da associação, Alexandre de Juniac.

LEIA MAIS
+ Iata relata crescimento sólido mas lento na aviação global
+ Sabre recebe certificação “One Order” da Iata
+ Iata Pay: Novo sistema de pagamento é testado por companhias aéreas

Contudo, segundo ele, os sinais do mercado são mistos. “Com indicações de enfraquecimento da confiança empresarial nas economias desenvolvidas e um cenário mais sutil em todo o mundo em desenvolvimento”, alertou.

Confira o percentual completo a seguir:

Janeiro 2019 (% ano a ano) Participação global RPK ASK
África 2,1% 3,7% 2%
Ásia-Pacífico 34,5% 8,5% 7,5%
Europa 26,7% 7,4% 8,5%
América Latina 5,1% 4,8% 5,4%
Oriente Médio 9,2% 1,5% 3%
América do Norte 22,4% 5,2% 4,7%
Total 100% 6,5% 6,4%

 

Tráfego internacional

A demanda internacional por passageiros subiu 6% em janeiro em comparação com o mesmo mês do ano passado. O que representa, aliás, um aumento de 5,3% em dezembro do ano anterior.

Além disso, todas as regiões registraram crescimento. A Europa, por exemplo, lidera pelo quarto mês consecutivo. A capacidade aumentou 5,8% e a taxa de ocupação subiu 0,2 ponto percentual, para 79,8%.

Enquanto isso, o tráfego das companhias aéreas latino-americanas subiu 5,8% em janeiro em relação a janeiro de 2018. Embora isso represente um leve abrandamento em comparação ao crescimento de 6,1% em dezembro. A capacidade também registrou alta e cresceu 6,7%. A taxa de ocupação, contudo, caiu 0,7 ponto percentual, indo para 82,8%.  Apesar disso, o índice apresentado ainda foi o maior entre as regiões.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here