Trem Bala São Paulo-Rio vai demorar mais

Por: Antonio Euryco

Com custo estimado de R$ 35 bilhões e tempo de espera que deverá se prolongar por mais seis a oito anos, o trem-bala que deverá ligar São Paulo e Rio de Janeiro ainda é um projeto cujo desenvolvimento vai demorar por muitas discussões e processos burocráticos.  Enquanto isso, em outras regiões do mundo, o meio de transporte está sendo bastante acelerado, como acontece na China, onde estão em construção cerca de 15 mil quilômetros de linhas com a tecnologia do TGV francês.

 

No dia 15 do mês de setembro começaram as obras dos 450 km em pleno deserto da Arábia Saudita e que vão ligar as cidades santas de Meca e Medina.  A areia é o principal problema técnico da obra que tem um consórcio espanhol à frente e que, além desta questão e do calor com temperaturas que chegam a 50 graus ainda tem a questão social e religiosa. Tanto que trabalhadores muçulmanos terão que ser contratados em território europeu e será montada uma escola de formação na própria Arábia, tudo voltado para que o trecho fique pronto até dezembro de 2016.

 

O transporte previsto é de 160 mil passageiros diariamente.  Para Pablo Vazquez, diretor-presidente do consórcio, a obra que é o maior investimento de empresas espanholas no exterior também abrirá possibilidades para outras oportunidades no setor, como no caso do Brasil. A Russia,  também está neste horizonte futuro com a linha entre Moscou e São Petersburgo, bem como a construção do metrô de Riad.

TREMBALAbrasil

 

O governo brasileiro projeta o inicio de funcionamento entre os anos de 2018 e 2010. A primeira licitação será em 29 de maio do próximo ano, para a construção dos trens e operação do sistema. No começo de 2014, será feita a segunda etapa com a licitação de toda a construção da infraestrutura, os trilhos ferroviários e as estações, entre outras obras.  60% do investimento previsto será financiado pelo BNDES (Banco de Desenvolvimento Econômico e Social).

 

O Brasil quer o máximo de empresas estrangeiras concorrendo no projeto, e procura aguçar o interesse de  empresas da Alemanha, França, Espanha, Coreia do Norte e Japão,  paises que são os de maior e melhor experiência em alta velocidade no mundo nos aspectos tecnológicos e de gestão. 

 

O trilho ferroviário terá um total de 510 quilômetros entre as duas maiores cidades do Pais, e da capital paulista sairá um segundo trecho de 97 quilômetros até Campinas. O projeto é considerado complexo, pois implicará na construção de 90,9 quilômetros de túneis e outros 107,8 quilômetros de pontes e viadutos

Segundo as previsões do governo federal,  o primeiro trem de alta velocidade da América Latina transportará cerca de 33 milhões de pessoas em seu primeiro ano de operações e chegará a 100 milhões para 2030.

 

AE

 

 
 
 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta