Turismo debate estratégias para evitar conflitos na Copa

Por: Rafael Lima

 O Comitê Técnico de Consumo e Turismo se reuniu ontem, dia 30, no Ministério do Turismo para debater estratégias para evitar conflitos que envolvam o consumidor durante a Copa do Mundo de 2014. Esta foi a quinta reunião do grupo, que já debateu o tema em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Porto Alegre, São Paulo e agora em Brasília. Participaram da reunião diversos órgãos governamentais, como o Ministério da Justiça, que coordenou a reunião, o Ministério do Turismo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o Procon – DF, o Ministério do Esporte, entre outros.

 

A coordenadora-geral de sustentabilidade do Ministério do Turismo, Izabel Barnasque, falou sobre a importância de investir no bom atendimento aos 600 mil estrangeiros e três milhões de brasileiros esperados para a Copa de 2014. “A forma como serão recebidos define a imagem que levarão do País”, disse. O Ministério do Turismo está investindo R$ 35 milhões na reforma e construção de 105 Centros de Atendimento ao Turista nas cidades-sede da Copa.

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) trabalham para classificar os restaurantes em categorias de acordo com a qualidade sanitária de cada um deles. Segundo Fernando Cabral, da Abrasel, a entidade está estimulando seus associados a traduzir seus cardápios para outras línguas. A Embratur afirmou que seu site traz dicas de viagem para estrangeiros que visitam o país e as nacionalidades que precisam de visto em português, espanhol e inglês.

 

A secretária nacional do consumidor do Ministério da Justiça e coordenadora do comitê, Juliana Pereira, afirmou que o grupo vai se reunir nas 12 cidades sede da Copa e até a primeira quinzena de dezembro vai entregar um relatório detalhado com diagnósticos locais para evitar problemas com os consumidores.

 

RL

 

Deixe uma resposta