Turismo nacional: Pandemia demanda reinvenção

Rio
(Foto: Divulgação)

Por Cássio Garkalns (CEO da GKS Inteligência Territorial e professor do curso de pós-graduação em Gestão Estratégica da Sustentabilidade da FIA/USP) e André Sá (diretor de Negócios da GKS Inteligência Territorial)

Após sua mais grave crise já vivida, o Turismo nacional poderá, em breve, voltar a ter uma oportunidade de se apresentar, de abrir as suas portas e estar de casa cheia novamente. Espera-se que, após a pandemia estar mais controlada, com grande parte da população vacinada, o fluxo de turistas comece a retornar gradativamente, estimulado por uma alta demanda reprimida composta por viajantes ansiosos em desfrutar (novamente) da maravilhosa sensação de viajar, de conhecer novos lugares e viver novas experiências.

Certamente esse processo de retomada estará amparado em novos conceitos e formas de fazer e organizar o Turismo, já incorporados à cultura das pessoas, como procedimentos diferenciados e mais cuidadosos de limpeza, a necessidade de internet de qualidade e velocidade, o dimensionamento adequado do número de pessoas. O relaxamento de algumas das normas mais restritivas certamente não significará que as lições aprendidas e os avanços conquistados sejam esquecidos.

Essa tendência começa a ser notada nos Estados Unidos, após o país superar os 50% de sua população vacinada. Um desses indicadores é o início da recontratação de funcionários que estavam suspensos pelas companhias aéreas norte-americanas para atender à demanda crescente estimulada pelo feriado de Páscoa e férias da primavera.

Por outro lado, à medida que os países vão controlando a pandemia em seus territórios, percebem-se significativas barreiras alfandegárias que limitam o trânsito de pessoas provenientes de outras nações. Atualmente, muitos países exigem que turistas realizem uma quarentena em hotéis antes de ingressarem em seus territórios, e foi iniciada uma ampla discussão global sobre a exigência de passaporte de imunização, sistema criado para monitorar turistas que estejam devidamente vacinados.

Considerando que a perspectiva de viagem internacional segue muito restrita, em função de protocolos, inseguranças e riscos, o Turismo nacional poderá ter uma grande chance de se reinventar e mostrar seus atrativos para um público completamente novo. Várias iniciativas importantes já vêm sendo conduzidas por diversas instituições relevantes, visando entender esse movimento, caracterizar necessidades e propor planos e ações de melhorias para a retomada da atividade no Brasil.

Como exemplo, o Ministério do Turismo lançou o projeto-piloto “Destinos Turísticos Inteligentes”, pelo qual algumas cidades servirão de referência para implantação de metodologias que apoiem no amadurecimento dos destinos e na sua oferta de experiências inovadoras e únicas, convergindo a estruturação de cinco pilares: governança, inovação, tecnologia, sustentabilidade e a acessibilidade.

O Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade da Confederação Nacional do Comércio de Bens e Turismo (Cetur/CNC) também lançou um programa nacional e inovador para construir de forma participativa para cada um dos estados e para o Governo Federal propostas de estratégias e projetos para o desenvolvimento do Turismo, a serem apresentados como sugestão aos candidatos das próximas eleições, buscando assim que a atividade entre na pauta de políticas públicas de forma séria e técnica.

Porém, é essencial que haja um alinhamento de interesses e prioridades entre a maioria dessas iniciativas, para evitar que essa oportunidade se transforme em um conjunto desconexo e desarticulado de “projetos de retomada”, muitas vezes sobrepondo ações e dispersando energia. O alinhamento do setor será ponto chave para o sucesso das iniciativas.

Todos nós sabemos que o Brasil possui recursos naturais e culturais de primeira grandeza, mas sem dúvida um dos setores que mais precisará se reinventar após a pandemia será o Turismo de qualidade, incorporando para sua dinâmica uma nova inteligência na oferta de serviços e experiências que atraia, encante e retenha um novo perfil de público, e que possa alçar nossos destinos ao reconhecimento merecido. Vamos em frente!

Deixe uma resposta