União de gigantes – armadoras atuam no retorno do setor

Armadoras trabalham lado a lado com o apoio de estudos científicos que norteiam parâmetros de segurança

armadoras

Após cinco meses em paralisia quase total, o Turismo mundial inicia sua retomada de forma gradual e cautelosa. Enquanto uma vacina contra a covid-19 não é concluída, um dos setores que mais sofre é o de cruzeiros, segmento que tem como premissa experiências e interações em grupo a bordo dos navios de variados portes.

Somente essa indústria gera mais de US$ 150 bilhões por ano em atividade econômica global e suporta mais de 1,17 milhão de empregos em todo o mundo, segundo dados da Associação Internacional de Linhas de Cruzeiros (Clia, da sigla em inglês).

Em consonância com empresas privadas e órgão reguladores da saúde, a associação setorial se mobiliza para a criação de protocolos e novos procedimentos para a atividade, a fim de promover uma retomada segura para colaboradores e viajantes.

 “Durante a suspensão das operações globais, continuamos trabalhando para alcançar nosso objetivo de proteger a saúde e segurança de passageiros, tripulação e público e apoiar metas de retomada do Turismo e dos negócios. Quando chegar a hora de os navios de cruzeiro zarparem novamente, nossa comunidade será uma parte importante da recuperação econômica e social global”, destaca a Clia.

 No âmbito privado, a parceria entre o grupo Royal Caribbean e a Norwegian Cruise Lines evidencia os esforços de todo o setor para superar a crise. Por meio do “Healthy Sail Panel” (“Painel para uma navegação saudável” em tradução livre), as armadoras e profissionais da saúde criaram protocolos para manter a qualidade da experiência marítima alinhada à biossegurança.

As diretrizes seguem orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC). As soluções serão divulgadas até o final deste mês e poderão ser incorporadas por qualquer empresa ou setor.

 “Competimos pela parcela do mercado destinada ao consumidor em férias, nunca por saúde e segurança. A indústria de cruzeiros sempre teve níveis rigorosos, mas os desafios colocados pela covid-19 nos levam a elevá-los ainda mais”, enfatiza Frank Del Rio, presidente e CEO da Norwegian Cruise Line Holdings.

Richard D. Fain, presidente e CEO da Royal Caribbean Group, ressalta o compromisso das companhias na proteção a hóspedes, equipes e comunidades visitadas e concorda com Del Rio em relação às exigências. “Esta doença sem precedentes exige o desenvolvimento de padrões inéditos”, declara.

O grupo é co-presidido por Mike Leavitt, ex-secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos (HHS), e Dr. Scott Gottlieb, ex-comissário da Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA).

Os membros do “Healthy Sail Panel” são especialistas em saúde pública, doenças infecciosas, biossegurança, hospitalidade e operações marítimas. Outra gigante associada à Clia, a MSC também está em processo de definição de diretrizes e prevê a divulgação das novas normas para o decorrer deste mês de agosto.

Pierfrancesco Vago

 “Nossa força-tarefa está sendo apoiada pela formação e pelo engajamento do Grupo Blue Ribbon, formado por especialistas em covid-19 para consultoria sobre protocolos e planejamento, bem como para trazer consultoria especializada adicional e aumentar nossos recursos e conhecimentos existentes”, celebra Pierfrancesco Vago, presidente-executivo da MSC Cruzeiros.

O trabalho também estuda ações adotadas em outros setores no combate ao novo coronavírus para a adaptação à realidade dos cruzeiros. Além da OMS e CDC, são consideradas as orientações de entidades europeias – EU Healthy Gateways e Agência Europeia de Segurança Marítima (Emsa).

“O protocolo de saúde e segurança cobrirá todos os aspectos da experiência do cruzeiro, começando com a fase de reserva, embarque e todos os aspectos da vida a bordo até o desembarque e o retorno para casa”, garante a MSC.

Segurança em prática

NCL
Estela Farina

Em entrevista exclusiva ao Brasilturis Jornal, Estela Farina, diretora geral da Norwegian Cruise Line Holdings no Brasil, adiantou algumas das medidas que serão desenvolvidas a bordo dos navios.

Dentre as mudanças está a substituição do filtro de ar pelo modelo H13 High Efficiency Particulate Arrestance, o famoso Hepa, que garante remoção de 99,95% de todas as partículas de 0,1 mícron ou maiores. Para fins de comparação, a covid-19 tem 0,125 mícrons.

No pré-embarque, o passageiro passará por uma triagem de saúde e, caso necessário, o processo será repetido e aprofundado. Todos os viajantes serão monitorados durante a estada e haverá aferição de temperatura sem toque por uma equipe de saúde antes do embarque, nas refeições, em atividades realizadas em locais públicos, no desembarque para excursões e ao retornar para o navio.

O centro médico teve incremento de equipamentos, medicamentos e profissionais. Todas as embarcações agora contam com acomodações preparadas para acomodar passageiros em isolamento social, se necessário. Também será possível realizar testes e tratamentos para covid-19 a bordo.

“Teremos um oficial de saúde pública a bordo, responsável pela supervisão de todas as iniciativas de higienização e prevenção de surtos. Além disso, será monitorada a limpeza diária de todas as áreas públicas e acomodações, mantendo a conformidade com o programa de higienização de embarcações do CDC”, ressalta Estela.

Os navios da NCL só passarão por portos abertos que cumpram as medidas de biossegurança. Os novos padrões de higiene incluem pulverização de cabines e áreas públicas com o ácido hipocloroso desinfetante (HOCI), componente atóxico para eliminação de bactérias, esporos e vírus, além do reforço no cronograma de higienização e incentivo à higiene pessoal.

Bufês e estações de bebidas terão funcionários disponíveis para atender aos passageiros. Atividades em grupo e ambientes compartilhados continuarão disponíveis, mas com capacidade reduzida para seguir as medidas de distanciamento. Os check-ins serão feitos digitalmente e o embarque será escalonado.

A executiva esclarece ainda, que os roteiros para 2021 a 2023 foram reformulados considerando restrições de portos e preferências de passageiros por destinos. “A companhia estará atenta e pronta a fazer modificações sempre que for necessário para garantir a total segurança dos seus passageiros e tripulantes. A volta ao mundo da Oceania Cruises para 2022 ainda está mantida”, afirma.

Apoio à base

Visando o suporte aos agentes de viagens, no início da pandemia a NCL lançou a política “Peace of Mind”, que garante remarcação das viagens canceladas até 31 de dezembro de 2022 ou reembolso de 100%, sem desconto da comissão recebida pelo agente. No caso de cancelamentos efetuados pela companhia, o passageiro pode optar por ter 125% de crédito para viagem futura, caso não deseje reembolso.

A companhia aproveitou o momento para criar o Portal do Agente, plataforma que reúne lançamentos, promoções e links para reserva. Um calendário quinzenal de webinars apresenta conteúdo informativo sobre os produtos da empresa e esclarece dúvidas.

Ricardo Amaral, CEO da R11 Travel
Ricardo Amaral, CEO da R11 Travel

Já a R11 Travel, distribuidora oficial da Royal Caribbean, Celebrity Cruises e Azamara, lançou entre junho e julho uma campanha de incentivo às agências de viagens que apresentassem soluções viáveis, criativas e com impacto positivo para a venda de produtos do grupo.

A ação “R11 Travel Apoia” visou dar suporte a 50 empresas com até R$500 mil. Dentre os critérios de elegibilidade dos projetos, foram analisados a viabilidade da proposta e a verba necessária.

A empresa também realizou o “Happy Hour of the Seas”, um encontro via plataforma Zoom com capacidade para até 500 agentes de viagens, sob o comando do DJ Henrique Secchi. A iniciativa com participação de Ricardo Amaral, CEO da R11, teve por objetivo estreitar relações com os profissionais. A armadora também atua na capacitação com lives e webinars.


Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui