Viracopos e Iata formam parceria para agilizar importação de cargas

Por: Chris Flores

O terminal de cargas do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), será o primeiro do País a implantar o programa e-Freight, que tem como objetivo a substituição dos documentos que tramitam em papel por dados eletrônicos na cadeia logística de carga aérea. O trabalho é realizado em parceria com a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata).

 

No último dia 2, um grupo de trabalho se reuniu em Viracopos para discutir as barreiras de entrada das cargas no País e, assim, mapear o plano de ação para a primeira fase do e-Freight no Brasil. Liderado pela Iata, o grupo contou com a participação de representantes das empresas Aeroportos Brasil Viracopos (aeroporto), Panalpina (agente de carga), Lufthansa (empresa aérea), DB Schenker (agente de carga), American Airlines (empresa aérea), Sindasp (sindicato dos despachantes), e Sindicomis (sindicato dos agentes de carga).

 

Esse grupo foi selecionado pela Iata devido à participação em outros projetos e ao conhecimento técnico na área. O programa deve beneficiar toda a cadeia logística de carga, proporcionando agilidade e segurança na tramitação de cargas aéreas por Viracopos.

 

O primeiro item a ser implantado dentro do E-Freight será o e-AWB (Air Waybill) Importação. A mesma ferramenta já havia sido lançada no setor de exportação de Viracopos, em 2014. Atualmente, o programa está sendo implementado em outros aeroportos do País.

 

O e-AWB Importação deve trazer ainda mais benefícios para os atuantes na cadeia logística devido ao processo fiscal mais complexo nesse lado, comparando com o da área de exportação.

 

O e-AWB é o contrato de transporte entre o agente de cargas e as empresas aéreas. “Com o e-AWB não há mais a necessidade de imprimir, manusear ou arquivar o AWB de papel, simplificando o processo da carga aérea no Brasil”, disse o assessor de negócios de carga de Viracopos, Adam Cunha.

 

Conforme a Iata, os benefícios são melhorar a competitividade dos negócios de carga aérea no Brasil, por meio da diminuição de transit time, maior segurança, disponibilização de documentos em tempo real, comunicação entre as partes efetiva e diminuição de custos, entre outros.

 

 

CF

Deixe uma resposta