Voar é seguro? Confira a análise da Flight Safety Foundation

Entidade global e sem fins lucrativos reforça segurança na jornada aérea com base nos reportes de mais de mil associados em 150 países

voar é seguro?

Voar é seguro? Uma análise realizada pela Flight Safety Foundation, organização global sem fins lucrativos, afirma que sim. A avaliação da Fundação reforça resultados similares apresentados pela iniciativa privada e destaca que os esforços conjuntos liderados pela indústria das viagens aéreas nos últimos meses conseguiram reduzir significativamente a possibilidade de transmissão do novo coronavírus em aeroportos e aeronaves. Entretanto, a Fundação aponta para a necessidade de chegar a um consenso governamental em termos de procedimentos para reativar a indústria.

Com base em evidências e dados enviados pelas principais autoridades de saúde pública, pelos mais de mil associados em 150 países e na análise dos consultores médicos especializados, a Fundação atribui a baixa incidência de covid-19 nas viagens aéreas às ações de higienização adotadas por toda a cadeia. “Com as medidas desenvolvidas por companhias aéreas, aeroportos e pessoal de segurança, o risco de contrair esse vírus na jornada é extraordinariamente baixo, muito menor do que em outros lugares públicos”, disse o Dr. Hassan Shahidi, presidente e CEO da Fundação.

A organização internacional independente pediu aos governos que estimulem a movimentação aérea por meio da padronização de procedimentos. “Temos regras de teste desconexas, proibições indiscriminadas e obrigatoriedades confusas em termo de quarentenas que desencorajam o planejamento de viagens”, aponta o Capitão Conor Nolan, presidente do Conselho de Governadores da Fundação e diretor de Segurança e Proteção da Aer Lingus. “Os governos e a indústria devem se unir para estabelecer padrões de teste universalmente aceitos na identificação e prevenção à disseminação até que a vacina esteja disponível”, conclui Nolan.

A Fundação também observou que o design moderno das aeronaves tem desempenhado um papel importante na proteção dos passageiros contra os riscos para a saúde, reforçando a premissa que voar é seguro. Trocas frequentes de ar da cabine e sistemas avançados de filtragem de partículas com equipamentos de alta eficiência podem eliminar partículas muito menores que o novo coronavírus. “Quando os procedimentos são seguidos, o risco de transmissão do vírus é muito baixo”, disse Shahidi.

Criada em 1947, a Flight Safety Foundation tem sede na Virgínia (EUA) e escritório regional em Melbourne (Austrália).

Deixe uma resposta