Latam avança na jornada para a descarbonização

Latam fechou hoje um acordo com a Airbus e algumas das principais companhias aéreas do mundo para explorar oportunidades de eliminação do CO2 da atmosfera por meio do sistema Direct Air Carbon Capture and Storage (DACCS)

Latam/Airbus - Descarbonização
Foto: Divulgação

Mais um passo para uma operação carbono neutro foi dado hoje pelo Grupo Latam ao anunciar a sua intenção de explorar oportunidades para a eliminação de CO2 por meio do sistema de captura e armazenamento direto de carbono no ar (DACCS, na sigla em inglês). Este anúncio será feito de forma colaborativa e em associação com outros players do setor após a assinatura de uma carta de intenções com a Airbus, um documento também assinado pela Air Canada, easyJet, International Airlines Group, Lufthansa Group e Virgin Atlantic para avaliar esse tipo de tecnologia.

Dessa forma, a Latam se torna o primeiro grupo de companhias aéreas da América Latina a explorar essa tecnologia que permite filtrar e capturar o CO2 da atmosfera para depois armazená-lo de forma segura e permanente em grandes profundidades.

“O DACCS representa uma forma inovadora não apenas de remover o dióxido de carbono da atmosfera, mas também tem o potencial de desempenhar um papel no desenvolvimento de combustíveis sintéticos sustentáveis ​​para aviação”, afirma Juan José Tohá, diretor de Assuntos Corporativos e Sustentabilidade do Latam Airlines Group.

O executivo acrescentou que “no caminho para a neutralidade de carbono, o trabalho colaborativo é fundamental e não existe uma solução única. É por isso que estamos implementando diferentes medidas para ser uma empresa zero emissões líquidas, incluindo mais eficiência, combustíveis de aviação sustentáveis ​​e novas tecnologias, apoiadas pela conservação de ecossistemas estratégicos e compensações de qualidade.”

O anúncio faz parte da estratégia de sustentabilidade do grupo, que busca ser carbono neutro até 2050. Para isso, a companhia aérea está trabalhando em seu pilar de Mudanças Climáticas, que inclui a implementação de medidas e melhores práticas para o uso eficiente de combustível para redução de emissões , o desenvolvimento do SAF (sustainable aviation fuel) e o apoio à conservação de ecossistemas estratégicos. Vale lembrar que o grupo assumiu recentemente o compromisso de utilizar até 5% de SAF em suas operações até 2030, priorizando a produção na América do Sul.

Tecnologia DACCS

O DACCS é uma tecnologia de alto potencial que permite que até 90% das emissões de CO2 sejam filtradas e removidas do ar usando ventiladores e absorvedores em uma instalação neutra em carbono alimentada por fontes de energia de emissão zero. Depois de filtrar ou remover as emissões de CO2, ele as armazena de forma segura e permanente em campos subterrâneos de petróleo e gás esgotados ou formações salinas profundas.

Como a indústria da aviação é incapaz de capturar as emissões de CO2 liberadas na atmosfera, uma solução direta de captura e armazenamento de carbono no ar permitiria que a indústria extraísse as emissões de suas operações diretamente do ar atmosférico.

A extração de carbono diretamente do ar e seu posterior armazenamento permanente constituem uma grande inovação complementar ao uso de novas tecnologias, ao uso de combustíveis sustentáveis ​​e à proteção de ecossistemas estratégicos, mas que é fundamental, como o Grupo Intergovernamental de Especialistas da ONU concluiu sobre Mudanças Climáticas, estabelecendo que o sequestro de carbono é uma das medidas necessárias para limitar o aquecimento global a 1,5°C.


Leia também: Air France Act: programa de sustentabilidade visa redução de carbonos

Deixe uma resposta