Inspira Ecoturismo destaca políticas públicas da Chile, Costa Rica e Peru

O segundo dia do Inspira Ecoturismo trouxe representantes de três países com casos de sucesso na promoção do turismo de natureza

Gustavo Alvorado (Costa Rica), Milagros Ochoa (Promperú), Bruno Wendling (Fundtur-MS) e Jorge Moller (Global Sustainable Tourism Council) - inspira ecoturismo
Gustavo Alvorado (Costa Rica), Milagros Ochoa (Promperú), Bruno Wendling (Fundtur-MS) e Jorge Moller (Global Sustainable Tourism Council)

Integração com a cultura e com as políticas públicas. A mensagem do painel de Ecoturismo no Mundo, realizada durante o segundo dia do Seminário Internacional Inspira Ecoturismo em Bonito (MS), ficou muito clara.

O painel foi composto por Milagros Ochoa, diretora da Promperú no Brasil, Gustavo Alvarado, ministro do Turismo da Costa Rica, e Jorge Moller, diretor do Global Sustainable Tourism Council e falando pelo Chile, mediados por Bruno Wendling, presidente da Fundação de Turismo do Mato Grosso do Sul (Fundtur-MS).

“Os pontos de convergência nestes casos do painel são o planejamento, a integração com a comunidade, a capacidade de implementação, além de reflexões que precisamos fazer para realizar uma mudança estrutural no turismo”, disse Bruno Wendling.

Peru: políticas públicas e cultura local

Milagros Ochoa destacou as décadas de trabalho do Peru para integrar o turismo em políticas públicas, além de lembrar que Lima foi o primeiro destino carbono neutro no mundo, evidenciando as medidas adotadas pelo país.

“Temos falado de sustentabilidade no turismo há mais de 20 anos porque o turismo aqui é política pública, sendo parte do nosso planejamento nacional. Além disso, a identidade local de cada região precisa ser resgatada e estar inserida na promoção”, apontou a executiva.

Costa Rica: menos é mais

Já o Ministro de Turismo da Costa Rica foi categórico e colocou a preservação acima dos negócios, destacando o objetivo de tornar o destino ainda mais reconhecido internacionalmente pelas políticas ambientais.

“Muitos se confundem e pensam que o turismo é apenas um negócio e que o melhor ministro é quem traz mais pessoas para o destino. Precisamos deixar claro que fazemos o planejamento para o futuro e colocamos o meio ambiente em primeiro lugar para respeitar a natureza e os recursos naturais do país, integrando toda a população no processo”, disse Gustavo Alvarado.

Chile: patrimônio humano

Jorge Moller também reforçou a necessidade de integrar a comunidade nas políticas locais de turismo. O executivo ressaltou casos em que a promoção em massa dos destinos, como a Ilha de Páscoa (chamada agora de Rapa Nui) pode afetar diretamente a população e a preservação local, destacando a necessidade de uma fiscalização ativa e de integrar um processo de “regeneração”.

“Não queremos mais turistas, queremos um turismo melhor, realizando processos transformadores para regenerar nosso planeta, em prol das futuras gerações”, disse o executivo.

“A conectividade com voos que é importante para o ecoturismo, permitindo que as pessoas cheguem ao destino, sendo um dos pilares de desenvolvimento, junto com o incentivo para que os viajantes do próprio país viagem por seu território. O melhor mercado que pode se ter é o interno”, salientou Moller.

O Brasilturis Jornal viajou a convite do Fundtur-MS com proteção Affinity Seguro Viagem


Leia também: Bonito (MS) pleiteia candidatura para sediar o AdventureNext em 2023

Deixe uma resposta